Secreção Vaginal

Uma das queixas mais comuns no consultório do ginecologista é o corrimento, ou secreção vaginal.

Ao avaliar a necessidade de tratamento de um corrimento, o médico levará em consideração algumas informações sobre o mesmo: cor, odor, volume, prurido. O exame ginecológico é muito importante no diagnóstico da causa da secreção.

A secreção vaginal pode ser fisiológica, ou seja, natural do organismo, ou patológica – causada por um desequilíbrio na flora vaginal.

Grande parte das mulheres colocará uma calcinha limpa pela manhã e notará que a mesma está suja no fim do dia, e isso não necessariamente será um problema. A secreção fisiológica varia muito de uma mulher para outra, sem necessariamente significar uma alteração preocupante.

Devem ser avaliadas as secreções que têm odor muito forte, causam coceira, ou em quantidade que incomodem.

De maneira simplificada podemos dizer que:

  • corrimentos de odor desagradável (peixe), cor forte amarelada ou esverdeada são causados por bactérias, sendo as principais a Gardnerella e a Trichomonas
  • corrimentos brancos ou amarelo-claros, grumosos (aspecto de leite coalhado) e que causam coceira são causados por fungos, principalmente a Cândida

Os corrimentos bacterianos costumam ser tratados com antibióticos e os fúngicos com anti-fúngicos. Ambos podem necessitar de tratamentos com cremes ou óvulos vaginais. Nos casos de coceira externa pode ser associada uma pomada para a área dos grandes lábios.

Grande parte das secreções vaginais não necessita de tratamento dos parceiros sexuais, por serem decorrenetes de alterações locais da própria mulher, e não adquiridas ou transmissíveis.

Mulheres que exageram na ingestão de alimentos ácidos (limão, laranja, abacaxi, maracujá, tomate, por exemplo), de açúcar, ou que tomam pouca água, pode ter prurido vulvar ou vaginal sem necessariamente terem candidíase. Nesses casos uma melhora na dieta e na ingestão de água podem ser suficientes para regressão do quadro. Evitar o uso de sabonetes na região e fazer compressas com chá de camomila também pode aliviar.

O uso de antibióticos para tratamento de sinusites, amidalites e faringites, por exemplo, pode favorecer a candidíase. Mulheres diabéticas têm maior incidência de candidíase.

Grávidas apresentam aumento da secreção vaginal em decorrência das alterações hormonais, porém na maioria das vezes esta secreção é fisiológica e não necessita de tratamento.