Esclarecimentos sobre a gripe H1N1 (suína)

A atual situação em relação à gripe H1N1 no Brasil tem trazido muitas dúvidas a nossos pacientes. Queremos informar com responsabilidade e, para isso, desenvolvemos esse texto, na forma de perguntas frequentes e suas respostas.

P- O que é a gripe suína?

R- É a gripe causada pelo vírus influenza A (H1N1). Essa sigla significa que esse vírus é diferente, em algumas proteínas, dos vírus que anualmente causam as gripes de inverno, chamadas “gripes sazonais”.

P- Por que ela é tão diferente das gripes comuns (sazonais)?

R- Quando nós pegamos uma gripe, o nosso corpo “aprende” a matar o vírus causador. No ano seguinte, quando vem a nova gripe, com um vírus muito parecido com o anterior, o nosso corpo reconhece a semelhança e consegue combater com muita eficiência a nova infecção, o que acaba causando sintomas fracos. Como esse vírus tem uma diferença muito considerável dos vírus anteriores (por isso o nome H1N1), a nossa reação não é tão tranquila, e acabamos sofrendo mais com os sintomas gripais.

P- Se é apenas uma gripe mais forte, por que tantas mortes? Por que tantas notícias em jornais, sites, rádio e televisão?

R- Na verdade, o número de mortes em relação ao número de pessoas que pegaram a gripe, chamado “letalidade”, não é mais alto do que o que acontece normalmente. Pelo contrário, tem sido menor do que as mortes de anos anteriores. A diferença, e o que causa tanta notícia, susto e preocupação, é que as pessoas que estão morrendo são mais jovens do que o comum. Isso acontece porque, como explicado acima, a reação do corpo a um vírus muito diferente dos anteriores é muito forte. Quanto mais jovem o paciente, maior capacidade ele tem de reagir, e acaba fazendo um processo inflamatório muito intenso, que, além de matar o vírus, causa lesões dos tecidos normais do corpo, o que pode causar, em casos extremos, morte.

P- Quantas pessoas que pegam a gripe morrem?

R- Os números atuais mostram que cerca de 0,4% das pessoas com diagnóstico de gripe suína morreram no Brasil. Mas esses números são falsamente elevados. Grande parte das pessoas que pegam a nova gripe, cerca de 30%, segundo um estudioso americano, não tem sintomas que justifiquem procurar um hospital, e isso faz com que elas não sejam diagnosticadas; assim, muita gente pega a gripe e nem sabe. Sabendo disso, a Organização Mundial da Saúde (OMS) orientou que não sejam mais contados os números de morte em relação aos infectados (letalidade), e sim em relação a toda a população (mortalidade). Atualmente, no Brasil, a taxa de mortalidade é de 0,09 a cada 100 mil habitantes, ou seja, uma pessoa a cada 10.000.000 (dez milhões). Por mais trágico que isso possa ser, essa taxa é muito menor que diversas doenças, que recebem atenção bem menor dos jornais e TVs.

P- Devo usar máscaras, ficar em casa ou isolar minhas crianças?

R- A gripe H1N1 tem transmissão igual à das outras gripes. Isso significa que, em contatos sociais eventuais e breves, não há transmissão de uma pessoa para outra, por exemplo, aguardando em uma mesma sala. Uma pessoa apenas passa a gripe para a outra através de gotículas de saliva, que podem entrar em contato com você através de beijos, quando a pessoa não protege adequadamente a boca e o nariz durante uma tosse ou espirro, ou quando você usa talheres e copos que foram usados por alguém com a infecção. Quando a pessoa tosse ou espirra na mão, passando-a em alguma superfície, e você passa a mão em seguida, você também pode acabar levando o vírus até sua boca ou olho. Assim, regras básicas, como lavar as mãos com frequência, e não levar a mão até a boca ou olhos, são suficientes para prevenir a gripe. Caso uma pessoa infectada esteja próximo a você, peça que ela use lenços descartáveis para protejer a boca e o nariz ao tossir ou espirrar. Caso o infectado seja seu cônjuge, não beije, não divida copos e talheres, e não durma na mesma cama, até que ele esteja fora do período de transmissão. Usar máscaras no dia-a-dia não tem nenhum fundamento. Isolar-se, também não. Crianças devem ser orientadas a seguir as mesmas regras básicas e, quando com sinais e sintomas, não devem ser levadas à escola.

P- Nariz escorrendo, tosse seca e dor de cabeça são sinais de gripe?

R- Não, são sinais de infecções mais leves, como o resfriado comum, que também é uma infecção viral, mas acomete apenas as vias aéreas superiores (nariz, boca e garganta). A principal manifestação da gripe é o sinal de que a infecção acometeu todo o corpo (sistêmica), que é a febre, em geral acima de 38o C

P- Como e quando deve ser feito o exame diagnóstico?

R- Em teoria, não há mais nenhuma necessidade de fazer qualquer exame diagnóstico. Pelas estatísticas, se você tem sintomas gripais evidentes, com febre alta, mal-estar geral, desconforto respiratório e outros, você provavelmente está com gripe suína. O exame definitivo é feito através de um raspado da região da boca e início da garganta, e leva cerca de 2 dias para ficar pronto. Com o uso de medicação desde o início da suspeita, o exame definitivo acaba servindo apenas para estatísticas nacionais. E para resolver a curiosidade individual.

P- O que é e quando está indicado o tratamento com Tamiflu (oseltamivir)?

R- O Tamiflu é um remédio que mata diversos tipos de vírus da gripe, entre eles o H1N1. Ele é usado para ajudar o corpo a matar todos os microorganismos causadores da gripe, e ele abrevia o tempo dos sintomas e, em casos graves, pode diminuir o número de mortes. Como o Brasil está abastecido de uma grande quantidade do medicamento, e a grande maioria das gripes desse ano são do tipo H1N1, o Tamiflu está sendo usado em pacientes com sintomas de gripe evidentes (febre acima de 38o C e mal-estar geral), independente de exame laboratorial, e deve ser tomado por 5 dias, 2 comprimidos por dia. Ele só pode ser recebido em unidades especiais de distribuição, com receita e formulário médico adequados.

P- Quanto tempo uma pessoa infectada transmite o vírus?

R- Seguindo a regra das gripes sazonais, uma pessoa é considerada potencial transmissora do vírus desde 1 dia antes dos inícios dos sintomas, até 7 dias após.

P- Eu estou grávida, e meu marido / filho está com a gripe suína. O que faço?

R- Em caso de suspeita de um familiar próximo com gripe (febre, mal-estar e cansaço), você deve evitar permanecer por longos períodos no mesmo recinto, deve abolir beijos e contatos íntimos, não pode dormir na mesma cama, não deve compartilhar copos e talheres. A pessoa contaminada deve sempre ter lenços descartáveis, e proteger a boca e o nariz ao tossir ou espirrar. Lave a mão frequentemente. Preste atenção aos possíveis sintomas que apareçam, e comunique seu obstetra tanto da infecção do contactuante, quanto de qualquer sintoma estranho.

P- Existe alguma forma de prevenir a infecção (profilaxia)?

R- Sim, há a possibilidade de tomar o oseltamivir (Tamiflu), na dose de 1 comprimido, durante 10 dias. Mas essa profilaxia é indicada apenas a pacientes com alto risco de complicações, e que tiveram um contactuante próximo com a gripe suína.

P- É seguro tomar o Tamiflu (profilaxia ou tratamento) em caso de gravidez?

R- Essa é uma resposta difícil. Para um medicamento ser considerado completamente seguro durante a gravidez, são necessários muitos anos de acompanhamento, com estudos científicos completos, tanto em animais quanto em seres humanos. O Tamiflu, por ser um medicamento relativamente novo, ainda não passou por todas essas provas. Existem experimentos em ratos e coelhos, que mostram uma boa segurança, porém, até o momento, ainda não existem estudos e acompanhamento suficientes em seres humanos. Nós estamos atentos a esses estudos, e aguardamos novas avaliações. No momento, baseado nas atuais evidências científicas e no fato de que as grávidas de terceiro trimestre são as com maior risco, recomendamos:

  • Paciente com sinais ou sintomas de gripe, em qualquer fase da gravidez: tomar o Tamiflu como tratamento (2 comprimidos por dia, 5 dias)
  • Paciente sem sintomas, com contactuante próximo com gripe: no primeiro trimestre, observar o aparecimento ou não de sintomas, com rigor. No segundo ou terceiro trimestre, fazer uso do Tamiflu profilático, na dose de 1 comprimido por dia, durante 10 dias.

P- Posso amamentar enquanto uso o Tamiflu?

R- Sim, apesar de pequenas doses do medicamento saírem no leite materno, não há prejuízo para o bebê, e a amamentação deve ser mantida.

P- Posso ou devo tomar a vacina contra a gripe comum, estando grávida?

R- A vacina para a gripe comum pode ser administrada apenas após a 14a semana de gestação. Apesar de não existirem dados científicos claros, parece haver uma certa redução da letalidade por gripe suína em pacientes previamente vacinados. Assim, recomendamos que você receba a vacina, caso ainda não o tenha feito, após a 14a semana de gestação.Novamente, esses dados estão sujeitos a mudanças, sendo sempre importante consultar o seu obstetra.

P- Tenho cirurgia agendada, e estou com sintomas de gripe suína. Devo suspender a cirurgia?

R- Sim, uma cirurgia eletiva (agendada) deve sempre ser suspensa em caso de infecções sistêmicas, com febre. Isso não se aplica a cirurgias de urgência / emergência.